Rating e listas

Comentário mensal da Delegação Regional da Madeira da Ordem dos Economistas.

22 de Julho - Rating DBRS à dívida da RAM

A agência canadiana de rating DBRS acrescentou a Região Autónoma da Madeira ao seu calendário de notações de risco de dívida soberanas e sub-soberanas, que nesta primeira avaliação das duas que fará anualmente, atribuiu-lhe um “BB” e que faz com que seja enquadrada na categoria de “especulativo”.

Esta notação é também tratada na gíria financeira como sendo “lixo”, não podendo portanto a dívida da Região fazer parte da carteira de investimento da larga maioria dos melhores e principais fundos de investimento privados e soberanos de todo o mundo, o que praticamente reduz a alguns bancos comerciais nacionais a capacidade da Região em contrair novos empréstimos ou renovar os que se vão vencendo, com fortes implicações nas taxas de juro e comissões mais altas que assim tem de pagar.

Relembra-se que esses juros e comissões são pagos com os impostos dos madeirenses, pelo que quanto melhor o rating atribuído à dívida da Região, menores os juros a pagar e portanto, maior será a capacidade do Governo em reduzir a carga fiscal sobre famílias e empresas. Deste modo, o processo de redução de dívida em curso terá de ser mantido e até reforçado, o que recomenda necessariamente contenção e redução nos gastos do Governo Regional, mesmo em ano de eleições, com a compreensão de todos nós.

29 de Julho - Lista de Supermercados mais baratos

Um estudo da Deco Proteste divulgado esta semana concluiu que dos supermercados a operar na Região, existem duas marcas de supermercados de um Grupo madeirense que praticam os preços mais baixos na Madeira e que as duas principais cadeias nacionais que operam no nosso mercado ficaram em terceiro e quarto lugar deste estudo, em claro aproveitamento da sua posição dominante e de falta de concorrência à altura, pois de fora desta análise regional ficaram de fora e naturalmente, as cadeias nacionais que não operam na RAM, incluindo a que o Estudo determinou como mais barata a nível nacional, o Jumbo.

Lembremo-nos de que em 2001 a gigante cadeia alemã de supermercados Lidl tentou abrir 8 supermercados na RAM, sendo que na altura o Governo Regional impediu a concretização desse significativo investimento e a criação de maiores condições de escolha e de pressão para baixa dos preços finais aos consumidores alegando que encontravam-se “preenchidas e esgotadas as quotas de mercado”, pelo que decidiu suspender as novas licenças para o sector.

Entretanto i) os madeirenses têm preços mais altos nos produtos dos supermercados, ii) tal não impediu a falência de um grande operador local e iii) desincentivou-se a vinda para a Região de outras cadeias de supermercados como a Lidl, Intermarché, Jumbo e Minipreço, que iriam contribuir decisivamente para baixar os preços dos produtos nas prateleiras, prestar um melhor serviço ao Cliente e comprar mais produtos aos produtores locais.

Ou seja, como o prestigiado economista Milton Friedman notou, deve-se avaliar as decisões dos políticos pelas suas consequências e resultados e não pelas suas intenções.

“Economia em Ordem” é uma parceria entre o Grupo JM e a Delegação Regional da Madeira da Ordem dos Economistas na qual esta emite todas as sextas-feiras no final dos noticiários da RJM (7:30;13:30; 19:30; 21:30 e 4:00 e cujo podcast completo pode ser ouvido em www.economistasmadeira.org) a sua opinião acerca de uma notícia de caracter económico de maior proximidade com a Região Autónoma da Madeira que se entendeu ser merecedora desse destaque