Covid-19: Centeno avisa que "vêm agora" as decisões difíceis de política económica

Lusa

O governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, admitiu hoje que "vêm agora" as decisões difíceis de política económica e reafirmou a intenção de uma "solução atempada" sobre as moratórias, com fim anunciado para setembro.

"Eu gosto de referir que as decisões difíceis vêm agora, não podemos descansar nos sucessos conseguidos", afirmou o ex-ministro das Finanças e antigo presidente do Eurogrupo, numa aula sobre economia, acrescentado que os sucessos não chegaram a todos e que é difícil compreender bons resultados quando se está perante uma pandemia desta dimensão e dureza.

O governador defendeu que a recuperação deve acontecer sem entrar numa crise económica, nem financeira ou social, e que os líderes devem "manter vivo o espírito que conduziu as decisões de 2020".

Quanto às moratórias, em resposta a um aluno do Instituto de Gouveia, entidade que organizou a aula virtual, Mário Centeno disse que "foram absolutamente essenciais nesta crise com efeitos sísmicos", face aos duros confinamentos decretados e à preocupação de fazer chegar liquidez as famílias e as empresas.

"A melhor forma de o fazer foi cancelando temporariamemte as obrigações de empresas e famílias com os bancos", afirmou, defendendo que esta tem de ser "uma medida temporária".

Mário Centeno lembrou que está a ser feita uma avaliação concreta da situação, das empresas e famílias, pelo Banco de Portugal, para "nos próximos meses" conseguir para "uma solução atempada face ao fim", em setembro, das moratórias.

O governador lembrou aos alunos que nem todas as empresas vão conseguir recuperar dos efeitos da crise pandémica e que por isso defende um "transitar de medidas" para apoiar a criação de emprego.