MADEIRA Meteorologia

AR: Representante das comunidades portuguesas reconhece que o seu poder é zero

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
27 Abril 2023
17:05

O presidente do Conselho das Comunidades Portuguesas (CCP) reconheceu hoje que o poder deste órgão consultivo do Governo "é zero", mas alertou que a limitação de mandatos dos conselheiros pode colocar em causa a sua continuidade.

"Sabemos que o nosso poder é zero, eu diria mesmo nulo em todas as questões", afirmou Flávio Martins, há sete anos à frente do conselho permanente do CCP, e um dos rostos da promoção de alterações à lei que regula este órgão, atualmente a ser discutido na especialidade do parlamento.

Perante os deputados da comissão parlamentar dos Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, Flávio Martins enumerou algumas das propostas que nos últimos anos o CCP tem defendido para a alteração da lei que o regula.

Insistiu, mais uma vez, no aumento do número de conselheiros (para 100), manifestou-se contra os limites dos mandatos e disse que o Conselho não tem meios, e que nem é essa a sua função, para definir relatórios da sua atividade, bem como do funcionamento de estruturas, como consulados ou associações.

Atualmente, a alteração à lei é objeto de um grupo de trabalho parlamentar que tem na sua base os três projetos de lei (PS, PSD e PAN) que foram aprovados na generalidade e que deverão resultar num diploma a ser debatido e aprovado em plenário.

Os deputados dos vários partidos representados na comissão manifestaram o seu apoio e dispuseram-se a contribuir para o diploma final, incluindo os dos partidos que apresentaram propostas próprias, que não passaram na generalidade (PCP, BE e Chega).

Sem grande avanço ficou a questão do voto eletrónico à distância, que o CCP defende como medida para aumentar a participação dos emigrantes portugueses nos atos eleitorais em Portugal.

Questionado sobre alguns pormenores das propostas apresentadas pelo CCP, como contributo para a nova legislação, Flávio Martins aproveitou para manifestar a sua discordância em relação à limitação de mandatos dos conselheiros, proposta pelo PS.

E deixou um aviso: "Poderá ser um fator de prejuízo à própria representação" do CCP.

Isto porque, como recordou, nem todos os lugares de conselheiros foram ocupados e quem aceita fazê-lo "de forma espontânea", a confirmar-se esta impossibilidade na futura lei, não poderá voltar a ser conselheiro.

Na prática, tal poderá representar mais lugares vazios e ser colocada em causa a representatividade deste órgão consultivo do Governo para as questões relacionadas com as comunidades portuguesas.

A participação dos conselheiros nesta comissão parlamentar ocorreu em paralelo com a reunião das três comissões temáticas deste órgão, que decorre hoje e sexta-feira no Ministério dos Negócios Estrangeiros, em Lisboa.

A alteração à lei que regulamenta este órgão consultivo na agenda, assim como a aposta no voto eletrónico à distância, estará na agenda de trabalhos, assim como o ensino do português no estrangeiro e o apoio ao movimento associativo, entre outros temas.

Lusa

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Concorda com o investimento de 14 milhões de euros num navio de investigação?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas