Movimento 'Salvar o Marítimo' responde à direção do clube e assume-se como "verdadeira solução"

Marco Milho

O movimento ‘Salvar o Marítimo’ reagiu, esta quarta-feira, ao comunicado emitido pela direção do Club Sport Marítimo, no passado dia 28 de setembro, em resposta aos pedidos de esclarecimento sobre a atividade do clube.

Também através de um comunicado, o movimento endereça críticas à gestão da direção liderada por Rui Fontes e assume-se como “verdadeira solução” para os problemas que os verde-rubros enfrentam.

Recorde-se que, na sequência de um pedido feito à direção e ao presidente da Assembleia Geral do Marítimo, a direção do clube afirmou estar disponível para prestar quaisquer esclarecimentos sobre a atividade do clube, desde que os mesmos sejam legítimos quanto à forma, conteúdo e fins.

Essa resposta motivou agora uma reação do movimento que tem em Miguel Caires um dos rostos mais conhecidos, tendo o empresário reconhecido recentemente que poderá estar disponível para encabeçar uma candidatura à presidência do emblema verde-rubro.

“Num olhar mais atento a esta resposta, podemos aferir que a vontade expressa pela Direção não encontra expressão na realidade pois, tal como formulada a resposta, revela a vontade em não esclarecer, antes esconde-se numa pretensa ilegitimidade do pedido de esclarecimentos quanto à forma, quanto ao conteúdo e quanto aos fins”, começa por referir o movimento.

“Quanto à forma do pedido, o mesmo foi feito, diretamente à Direção, ao Presidente da Assembleia Geral e ao Presidente do Conselho Fiscal por email a que só os intervenientes tiveram acesso, ou seja, procurou-se com cuidado, respeito e acima de tudo responsabilidade resguardar este pedido de olhares públicos, cuidado que nem sempre o Presidente da Direção do Club Sport Marítimo tem tido nas suas diversas atuações”, pode ler-se no comunicado.

“Quanto ao conteúdo, compreendemos que quem não quer esclarecer, dificilmente compreenderá que para os sócios, que elegeram esta Direção, monitorizar é um papel importante em democracia e que visa evitar que, à revelia dos desejos dos sócios, sejam tomadas decisões que possam, catastroficamente, levar o clube para um caminho sem retorno”, prossegue a missiva. “No que diz respeito aos fins, sejamos claros, os únicos fins são a proteção cabal dos interesses do Club Sport Marítimo coisa que, nos últimos tempos não tem sido feita pela própria Direção nomeadamente pela exposição pública negativa que tem dado ao nome do nosso Clube.”


Leia, na íntegra, o comunicado do movimento ‘Salvar o Marítimo’:


"Na sequência do Comunicado emitido pela Direção do Club Sport Marítimo, no dia 28-09-2022, vimos pelo presente esclarecer o seguinte:

  1. Diz o comunicado no seu ponto número 1 que “Esta Direcção reitera que se encontra totalmente disponível para prestar aos Sócios do CS Marítimo quaisquer esclarecimentos e/ou informações relativos à actividade do Clube, obviamente, desde que os respectivos pedidos sejam legítimos quanto à forma, quanto ao conteúdo e quanto aos fins.”

Num olhar mais atento a esta resposta, podemos aferir que a vontade expressa pela Direcção não encontra expressão na realidade pois, tal como formulada a resposta, revela a vontade em não esclarecer, antes esconde-se numa pretensa ilegitimidade do pedido de esclarecimentos quanto à forma, quanto ao conteúdo e quanto aos fins.

Quanto à forma do pedido, o mesmo foi feito, diretamente à Direção, ao Presidente da Assembleia Geral e ao Presidente do Conselho Fiscal por email a que só os intervenientes tiveram acesso, ou seja, procurou-se com cuidado, respeito e acima de tudo responsabilidade resguardar este pedido de olhares públicos, cuidado que nem sempre o Presidente da Direção do Club Sport Marítimo tem tido nas suas diversas atuações;

Quanto ao conteúdo, compreendemos que quem não quer esclarecer, dificilmente compreenderá que para os sócios, que elegeram esta Direção, monitorizar é um papel importante em democracia e que visa evitar que, à revelia dos desejos dos sócios, sejam tomadas decisões que possam, catastroficamente, levar o clube para um caminho sem retorno.

No que diz respeito aos fins, sejamos claros, os únicos fins são a proteção cabal dos interesses do Club Sport Marítimo coisa que, nos últimos tempos não tem sido feita pela própria Direção nomeadamente pela exposição pública negativa que tem dado ao nome do nosso Clube.

  1. No ponto 2 alínea a) diz “A Direcção do CS Marítimo não tem legitimidade para (nem pode) prestar quaisquer esclarecimentos relativos à actividade social da Marítimo da Madeira Futebol SAD, muito menos a quem não é accionista desta;”

Muito estranhamos tal informação quando publicamente foram revelados os contratos de trabalho de um jogador do plantel e não houve nenhuma comunicação desta Direcção que conta com um vice-presidente para área financeira que é simultaneamente administrador da SAD e, tem o seu Presidente de Direção como Presidente da Assembleia Geral da SAD, ou seja, aqueles que deveriam ser os primeiros guardiões da informação, deixaram-na escapar, não desmentiram e agora escudam-se na formalidade da separação do Club Sport Marítimo da SAD para mais uma vez não esclarecer. Em relação ao não ser accionistas, cabe esclarecer ao Presidente da Direção que os sócios, por via da maioria do capital da SAD (92%) ser detido pelo Clube, são eles próprios accionistas de forma indireta.

  1. No ponto 2 alínea c) diz “os esclarecimentos relativos à actividade do CS Marítimo são prestados no local próprio e sob a forma devida, e destinam-se, exclusivamente, a quem sejam prestados, não servindo (nem devendo servir) para alimentar discussões e pretensões fomentadas nas redes sociais, na comunicação social e/ou em quaisquer outros fóruns estranhos à actividade e à orgânica do Clube, e que apenas contribuem para fomentar a desunião entre os Sócios e Adeptos do Clube.”

Mais uma vez, olhamos para esta afirmação de forma incrédula pois, por muito que o Presidente da Direcção queira esquecer, nós não nos esquecemos que foi o próprio Presidente que no Jornal da Madeira do dia 16 de Setembro de 2022 disse: ”Não são necessárias Assembleias Gerais que eu falo com os sócios”, afirmação esta que esteve na génese do email que enviamos com as 49 questões. Passado tão pouco tempo o Presidente, desmentindo-se a si próprio vem dizer que os esclarecimentos devem ser prestados em Assembleia Geral. Em que ficamos? Há vontade de esclarecer ou é preferível manter a neblina da suspeição?

  1. No ponto 4) temos “A título de exemplo, e porque não pretende alimentar os cenários catastrofistas e derrotistas, aparentemente, desejados por alguns, a Direcção do CS Marítimo nunca responderá a questões do tipo: “Qual o nível de perda de receita com uma possível descida de divisão? Está o clube preparado para esse impacto? Que consequências podem advir para o Universo Marítimo?”

Qualquer gestor, no âmbito das suas funções tem por dever e responsabilidade traçar cenários, preparar respostas aos mesmos e antecipar as consequências que os mesmos podem impactar na atividade da Instituição. Não o fazer revela leviandade, descuido e acima de tudo irresponsabilidade, pelo que, ao contrário do que o Presidente da Direcção pretende insinuar, a questão faz todo o sentido e pretende alertar para uma necessidade de antecipar o futuro que pelos vistos está ausente desta Direção o que é revelador de preocupação. O tom jocoso, dado pelo comunicado, a uma questão que é muito pertinente para o traçar de possíveis cenários futuros e antecipar soluções, é revelador da falta de preparação por parte do Dr. Rui Fontes e do seu vice-presidente para a área financeira e simultaneamente vice-presidente do Conselho de Administração da SAD, Dr. Carlos Batista, , para o desempenho das funções que ocupam. Não estão preparados e tentam esconder essa impreparação com atitudes que resvalam para a leviandade com que tratam os destinos do Club Sport Marítimo.

Em face deste comunicado que, de todo vai ao encontro daquilo que já prevíamos, que é a não vontade de esclarecer, ficamos sem perceber o porquê de não querendo esclarecer, convocam por email, os representantes deste movimento para estarem presentes numa reunião de Direção no dia 28 de Setembro de 2022 pela 18:00 e, mais tarde enviam outro email a adiar a mesma para o dia 29 de Setembro à mesma hora.

Registamos com muito agrado o convite para estarmos presentes numa reunião “de” Direção e não “com” a Direção. Tal revela alguma lucidez de que de facto este movimento pode ser a verdadeira solução para os problemas que esta Direção enfrenta e que claramente não está à altura dos mesmos. Da nossa parte continuamos a estar disponíveis para falar, esclarecer e ser esclarecidos.


Movimento Salvar Marítimo, 05-10-2022"