Livraria Lello regista 1 milhão de visitantes em 2016 e quintuplica venda de livros

A Livraria Lello, no Porto, ultrapassou em 2016 a fasquia de um milhão de visitantes e vendeu mais de 357 mil livros, cinco vezes mais do que em 2015, revelou hoje um administrador.

Em entrevista à Lusa no âmbito do 111.º aniversário da Livraria Lello, que é celebrado esta sexta-feira, o administrador Pedro Pinto avançou que em 2016 venderam cinco vezes mais livros do que há um ano e meio e receberam “um milhão e 50 mil visitantes”, um número que classificou de “impressionante” face ao espaço exíguo.

“Vendemos cerca de 1.000 livros, mais concretamente 714 livros por dia, são cinco vezes mais do que vendíamos há ano e meio”, declarou o administrador daquela que é considerada uma das mais belas livrarias do mundo por vários órgãos da imprensa internacional - como o jornal The Guardian, que a elevou, em 2008, à terceira mais bela do mundo, ou a estação televisiva CNN, em 2014, que a considerou a mais linda do mundo.

Apesar de as vendas terem aumentando, Pedro Pinto assume que apenas 35% dos visitantes da Lello compram livros e, por isso, o objetivo para 2017 é fazer com que os restantes 65% de visitantes também invistam na compra de obras literárias.

“Só cerca de 35% das pessoas que nos visitam é que compram livros, portanto, ainda temos um grande trabalho pela frente, que é transformar os outros 65% em leitores e esse é o nosso objetivo para 2017”, assume o administrador, anunciando que vão lançar, no primeiro trimestre de 2017, um projeto de venda e entrega de livros em qualquer país do mundo, sem custo adicional.

A ideia para desenvolver o projeto de venda planetária a partir da Lello vem no seguimento de um estudo que aquela livraria portuense encomendou à multinacional Nielsen, onde se concluía, por exemplo, que há quem não compre livros “porque os livros são pesados e porque as bagagens do avião levam a não comprar livros”.

A 12 de janeiro de 2016, na altura do 110.º aniversário, um dos administradores da Lello, José Manuel Lello, disse à Lusa que a livraria já tinha aumentando em quase 300% a venda de livros diária nos últimos seis meses de 2015, altura em que começou a cobrar as entradas naquele espaço.