Notas soltas do tempo presente

Esta quinzena farei, algo que já fiz noutros textos. Escrevo notas sobre diversos pontos. 1. Homenagem: presto a minha homenagem a todos os turistas que faleceram no trágico acidente do Caniço. Espero que os sobreviventes recuperem depressa e o Governo Regional, após essa recuperação, possa oferecer a vinda dos mesmos cá à Região.

2. Enaltecida: ainda sobre o acidente, presto também a minha homenagem a todas as equipas e entidades envolvidas na pronta resposta e enaltecida em todo o Mundo.

3. Responsáveis: aproximam-se várias eleições e, até há pouco tempo, os eleitos achavam que era só bom ser eleito, diriam todos: “queremos fazer algo pelo povo”. A verdade é que têm mesmo de fazer, mas não é só isso. Todos os cargos políticos exigem responsabilidades políticas, civis e criminais. Primeiro ponto, devem garantir a segurança da sua população. Chega de demagogia e chegar a cargos, sem estarem preparados, sem conhecer as leis e dizer que não se têm memória de nada. Existe responsabilidades e há que as assumir!

4. Coerência: nos incêndios de Pedrógão, o Primeiro-Ministro estava de férias… E existiram vozes na Madeira a criticar a sua ausência do país. Agora essas mesmas vozes deviam ter sido coerentes, e as outras que defenderam a ausência também. Infelizmente, na política mesquinha não existe qualquer capacidade de coerência!

5. Terrorismo: o ataque no Sri Lanka deve deixar todo o Mundo em alarme, os cristãos continuam a ser perseguidos. O JM-Madeira trouxe na passada segunda-feira alguns atentados de que os cristãos têm sido alvo, mas esses dados têm de se completar desde os milhares de cristãos que têm sido constantemente assassinados no Myanmar, agora no Sri Lanka, em África e em especial num país que nos diz muito, no norte de Moçambique, e recentemente nos ataques diários às igrejas e templos cristãos na Europa (só em França, de acordo com os dados do Service Central de Renseignement Criminel da polícia francesa, registou-se uma média 2,75 igrejas atacadas por dia). Os cristãos continuam a ser o Povo mais perseguido no Mundo. Algo que nos devia levar a refletir. Todos temos que ter a nossa liberdade religiosa e até a liberdade de não ter qualquer religião. Mas pelos vistos, o status quo ocidental só permite que se defenda os muçulmanos e até a islamização do ocidente.

6. Viagens políticas: eis que os deputados da Assembleia da República se preparam para legalizar convites de entidades privadas para viagens a titulares de cargos públicos, e note-se: terá os votos favoráveis do PS e PCP e a abstenção do PSD, apesar dos votos contra do BE, do CDS e do deputado independente Paulo Trigo Pereira. Nada de anormal, se tivermos em conta que à mulher de César não basta ser séria, como diria o ditado popular. É o validar da promiscuidade entre ações políticas e interesses privados, tudo que levará unicamente à interpretação de juristas e, pior que isso, algo que havia sido condenado publicamente e levou à demissão de políticos poderão ser ilibados com base nesta nova lei.

7. Dia da Terra: celebrou-se no passado dia 22 de abril o Dia da Terra que nos deve consciencializar-nos para os problemas da contaminação, conservação da biodiversidade e outras preocupações ambientais para proteger a Terra. Temos que lutar pela nossa casa, o nosso Planeta.

8. Louvor: os torneios de futebol jovem na passada semana foram fantásticos para região e em especial para os jovens na nossa região. De destacar o Centenário do Marítimo que conseguiu captar a atenção do Mundo, mas, mais importante que isso, foi os jovens madeirenses terem competido com amigos de outros países de igual e até superior nível para desenvolverem as suas capacidades, não só futebolísticas, mas também humanas. Por esse motivo, é necessário congratular e louvar primeiramente a organização, os pais, pois sem eles não seria possível termos os jovens a praticar e a estarem sempre presentes, a arbitragem e em especial os jovens árbitros que também tiveram oportunidade para melhorar e evoluir e finalmente as crianças e os jovens que fizeram a festa e puderam competir e acima de tudo divertir-se junto com os seus amigos e novos amigos.

Finalmente, para concluir, com a publicidade que passa diariamente da Coca-Cola que demonstra várias comidas do Mundo, desde comida árabe, brasileira, mexicana, americana e em que acaba a dizer: “(…) a comida junta gente. Não importa a comida. Ela fica mais gostosa com Coca-Cola.” Para unir-nos não precisamos de Coca-Cola, precisamos de Humanidade!!!