Um convite

Sente-se aqui, ao pé das minhas palavras. Deixe-se encantar por aquilo que elas não dizem, porque as palavras não dizem tudo. Deixe-se inundar pelos espaços brancos que dão sentido ao que se escreve.

Convido-o, hoje, a escutar. Escutar é contemplar com os ouvidos, perceber a essência da comunicação. Escutar não é o mesmo que ouvir (contemplar também não é o mesmo que ver, pois não?). Escuta-se a música, o som das árvores a dar à luz (tenho uma bananeira nesse processo), o mar que traz notícias de outros lugares. Escuta-se o segredo dos amigos e o bater do coração (no amor e na dor, sobretudo).

Escutar é dar valor ao que se ouve e permitir que o que daí advém more em nós. Gosto muito desta ideia de morada, de permanência. O que se escuta permanece. E cria camadas de proteção contra o ruido – o da angústia, o dos gritos, o do desencanto.

Convido-o a estar. Assim. Em silêncio. Disponível. Vai ver que o canto dos pássaros expulsa uma quantidade de ressentimentos que estava a ocupar lugar no nosso coração. O silêncio é a condição da escuta, porque limpa o que não presta.

​Falta-nos isto para sermos felizes, sabe? Falta-nos a disponibilidade de perceber que o que o outro tem para dizer é muito mais importante do que as nossas palavras, do que estas que escrevo a pensar nisto. Falta-nos a humildade de nos calarmos para que o outro diga.

​Isto pode ser um caminho para a Quaresma: calarmo-nos para que o outro fale. E perceber – como faz o médico que ausculta – o dito e o não dito, o entusiamo ou a dor, o que está bem e o que é preciso tratar.

E depois, há a voz de Deus que quer morar em nós. (“Quem tem ouvidos, ouça”, diz Jesus tantas vezes: “Este é o meu Filho muito amado, escutai-O”, diz o Céu, nas horas brancas do Batismo e da Transfiguração). Ouvimos a voz de Deus, tantas vezes, sem a escutar. A questão é que ela só faz efeito (e roubo a regra a S. Bento) quando somos capazes de abrir os ouvidos do nosso coração.

Sente-se aqui, à beira das palavras. E deixe-se estar. Escute apenas o que o silêncio tem para lhe contar.