Folclore português na Venezuela aguarda retorno com ansiedade

Marco Sousa

Os vários grupos folclóricos portugueses da Venezuela aguardam pelo levantamento da quarentena para retomar as suas atividades diárias.

A situação atual no país como resultado da pandemia de Covid-19 trouxe consigo variados problemas. Variadíssimas instituições em toda a Venezuela tiveram que repensar novas formas de continuar produzindo, algo que se aplicou a todos os setores do país.

A cultura portuguesa não foi exceção e não pôde continuar a realizar as suas atividades presencialmente e tenta, agora, manter alguma dinâmica através das plataformas digitais.

Inicialmente, trazemos a Associação de Folclore Virgem de Fátima, com sede em Guatire, que está em "standby", com atividades e ensaios diários inevitavelmente afetados pela quarentena que existe em todo o país.

A diretora Lucila Sousa de Pereira relatou a situação atual do grupo:

“Neste momento, não estamos a realizar nenhum tipo de ensaio, inclusive, só conseguimos realizar dois ensaios, porque íamos apresentar-nos no Festival Ibérico da Irmandade Galega, mas devido ao coronavírus teve que ser cancelado. Nenhum dos membros da G.F Virgem de Fátima se vê desde então”, disse Sousa.

Embora os membros do grupo mantenham contacto através das diferentes plataformas sociais, não conseguiram retomar os ensaios devido à dificuldade das ligações na Venezuela. A diretora do grupo disse que, muito possivelmente, os festivais correm o risco de serem adiados.

"Através do WhatsApp, mantemos comunicação com os diferentes grupos folclóricos: Centro Social Madeirense, Centro Português, Casa Portuguesa e outros. Mas o tema dos festivais não foi tocado devido às dificuldades que surgem diariamente", concluiu.

Da mesma forma, Isabel de Matos, diretora do Grupo Folclórico Internacional Luso Centro Marítimo, explicou toda a transição que o grupo passou desde março do ano passado, quando a quarentena começou. “No início da quarentena, estávamos a realizar atividades nas redes sociais: Vídeos de etapas que estávamos a fazer pouco antes da quarentena também foram enviados, para que os membros praticassem e recebessem a música correspondente”.

Infelizmente, “um acidente com dois membros que estavam com problemas de saúde” levou a uma interrupção nas atividades. Fase essa que já foi ultrapassada: “Agora queremos voltar à nossa dinâmica nas redes sociais”, anunciou a diretora.