Dia da Madeira na Diáspora: Cidade do Cabo lamenta a inexistência de celebração com “espírito típico madeirense”

Marco Sousa

Da Cidade do Cabo, na África do Sul, seguiu-se um depoimento semelhante ao de Joanesburgo, motivado pelas restrições do ‘lockdown’ imposto no país. Gina Brazier, lusodescendente, filha de pais naturais da Madeira, afirmou que “infelizmente, não podemos celebrar o dia da Região”.

A pandemia voltou a ser o protagonista: “Como sabemos devido ao problema que o mundo está a atravessar, o nosso país ainda está em ‘lockdown’, e ajuntamentos de qualquer forma, ainda são proibidos”.

A lusodescendente lamenta que assim seja, uma que vez “normalmente celebramos este dia em espírito típico madeirense”.

Em nome de todos os Madeirenses, especialmente da Liga da Mulher da Cidade do Cabo, a qual é presidente, deixou a seguinte mensagem: “Desejo que continuem com esse empenho a celebrar o dia da Região e que os jovens nunca se esqueçam destas tradições e que as continuem”.

Gina Brazier reforça que apesar da distância física, “a Madeira está sempre nos nossos corações e continuaremos a ser madeirenses orgulhosos da nossa linda ilha”.

A lusodescendente pediu ainda ao Governo Regional, “que continue com essa garra de defender em todas as ocasiões o nosso povo madeirense e que nunca se esqueça dos seus imigrantes”.

Quanto ao Presidente da República, espera “que Deus o conserve por mais alguns anos para continuar a defender Portugal”.

“Contávamos com a visita dele este ano em junho, como estava destinado, mas, infelizmente, foi impossível devido à pandemia”.

Em jeito de despedida, deseja “um dia feliz para todos os madeirenses e agradece a iniciativa que faz com que possamos estar conectados, ainda que virtualmente, durante esta pandemia”.

O cônsul-geral nesta cidade da África do Sul, José Carlos Arsénio, também deixou a sua mensagem neste dia da Região e das Comunidades Madeirenses.

"Queridos Amigos, gostaria de desejar a todos os madeirenses um feliz Dia da Madeira e que neste dia seja recordada com carinho aquela que é a nossa eterna pérola do Atlântico. Viva a Madeira", disse José Carlos Arsénio.