Dia da Madeira na Diáspora: Madeirenses em Londres desejosos de visitar a ilha

Marco Sousa

No Reino Unido “não está nenhuma comemoração prevista”, disse-nos José Manuel Sousa, Presidente do Centro Cultural Português em Londres.

“Não há eventos aqui em Inglaterra até janeiro, vamos abrir o Centro Cultural na próxima semana, mas só com distanciamento, estamos abertos só para take-away”.

O presidente associativo lamenta que “nem uma pequena celebração, com alguns membros do Centro, seja possível. “A polícia não deixa”, descreve.

O madeirense dá mesmo um exemplo: “Há tempos tivemos uma reunião e estavam a dizer que não podíamos estar juntos e eramos só 4 ou 5, mas nem assim deixam”. Apesar disso “depois vemos nas ruas as manifestações e aí não há problemas”, denunciou.

José Manuel Sousa lamentou o facto de este ano não existir celebração, mas afirma que “assim que possamos vamos voltar a fazê-lo, para festejarmos o dia da região e todos os outros”, afiançou.

Por fim, o madeirense apelou a que as autoridades regionais e nacionais “conseguissem tratar das ligações” entre a Madeira e o Reino Unido, para que “existam mais turistas na Madeira”. “Não sei porquê que o Reino Unido excluiu Portugal dos corredores, quer dizer, quando regressamos temos que fazer quarentena”, lamenta.

O madeirense lembra que a Região Autónoma da Madeira, em particular, “não teve muitos casos e acho que devíamos ser tratados de uma outra forma”.

“Não sei se as coisas foram feitas dentro dos limites ou não, se é do Governo da República, se do da Região, mas esta questão é importante”, disse.

A terminar explicou que esta é a “pergunta que as pessoas deixam: Porquê que ficámos fora dos 10 países incluídos nos corredores, que podem sair e voltar sem fazerem quarentena?”, algo que impede a comunidade de poder vir à sua ilha, o que “é muito desejado no geral”.

Mais informações sobre o Dia da Madeira nas Comunidades Madeirenses na edição impressa do JM desta quarta-feira.