Semanário português “O Século de Joanesburgo” deixou de ser impresso

José Luís da Silva, Correspondente em Joanesburgo (África do Sul)

O JM tomou conhecimento, hoje, de que o hebdomadário português “O Século de Joanesburgo” deixou de ser impresso. Este hebdomadário fundado em 1963, pelo emigrante português natural de Tondela, Comendador António Braz, conhecido pelo “Comendador Rambóia“ ou “Banana King” já falecido, foi desde então publicado sem interrupções.

São desconhecidas as razões da decisão da admnistração que no passado mês de março empossou um novo diretor em substituição de Rogério Varela Afonso por este ter atingido a idade da reforma e de regressar brevemente a Portugal.

O JM soube que o semanário português vai manter a sua edição online, chefiada por Eduardo Ouana com uma experiência de 27 anos no semanário comunitário, o qual será coadjuvado pelo jornalista Michael Gilbys, mantendo os serviços o seu correspondente em Pretória, Vicente Dias e ainda do experiente fotojornalista Carlos Silva com aproximadamente três décadas serviço. O despedimento de alguns membros do corpo redatorial foi feito telefonicamente.

Desaparece assim, ao fim de 57 anos, o único semanário de expressão portuguesa em plena crise sanitária do Covid-19, e que arrasta também uma preocupação, o arquivo quinquagenário sobre a vivência da Comunidade Portuguesa, assim como o acervo cultural e fotográfico.

Penso que devido ao envelhecimento da Comunidade na África do Sul, a edição online não é suficiente devido à falta de destreza em novas tecnologias por parte dos utentes idosos.

Com a situação de “lockdown” e muito devido à pandemia e alguma irracionalidade na gestão da mesma, algumas publicações sul africanas foram já obrigadas a cessar a sua atividade, deaparecendo completamente dos locais de venda habituais.

A Comunidade, poderá agora contar, somente, com a publicação, Voz Portuguesa, uma publicação mensal editada sobre a responsabilidade do Fórum Português da África do Sul.