Madeirenses em alarme com 12 casos positivos em Jersey

Sofia Lacerda

Jersey tem, hoje, 12 casos confirmados de coronavírus (ontem tinha 10) mas, numa ilha que deverá ter, “aproximadamente, 20 mil portugueses”, sendo que “a maior parte é de origem madeirense”, a situação é preocupante.

Quem o diz é João Carlos Nunes, o Conselheiro das Comunidades Madeirenses em Jersey, que frisou que “estamos todos preocupados, madeirenses, portugueses de Portugal Continental, como também o próprio Governo local e os residentes em Jersey. É uma preocupação constante”, assegurou.

Quarta-feira foi decretado pelo Governo que “as pessoas só podem sair de casa por necessidade e toda a gente que puder trabalhar em casa, deve trabalhar. Portanto, bancos, departamentos de Estado, estão fechados, não há reuniões e não pode haver concentrações”, referiu.

Quanto às fronteiras, “ainda estão abertas”, mas o nosso interlocutor realçou que “devem fechar, em breve, tanto por mar como por avião”.

Presentemente, explicou, “as pessoas que agora chegam cá, respondem a um questionário exaustivo e são colocadas em quarentena, durante duas semanas, no seu local de residência, sem poderem sair”.

Lembrou ainda que Jersey está muito próxima de França, “e muito perto da cidade de Saint-Malo. E todas as pessoas que chegarem aqui, até segunda-feira, de barco, de Saint-Malo, ficarão de quarentena”. A partir de segunda-feira, esse acesso será “fechado”, avançou.

Assim, mencionou, “as hipóteses de quem quiser regressar à Madeira vão ser muito poucas, porque na próxima semana vão restringir os transportes para evitar o contágio”.

“É um problema que nos deixa todos em alarme, porque vai ser muito difícil nestes próximos tempos se alguém quiser regressar à Região com as suas famílias, não vejo muita facilidade de isso acontecer em breve”.

Outra inquietação é direcionada para as “pessoas idosas e carenciadas que têm dificuldade em suprir as suas necessidades do dia a dia”, com João Carlos Nunes a congratular-se por verificar que “temos muitas instituições de caridade que se estão a organizar para ajudar essas pessoas”.