Bens de madeirenses ‘livraram-se’ do fogo

Conforme pode ler hoje na edição impressa do JM, José Manuel Góis, conselheiro das comunidades madeirenses, na Austrália, nascido em Machico, encontra-se de férias na Madeira.

A voz da Região naquele país que está a ser devastado pelos incêndios esteve na rádio JM FM, onde disse ter estado em contacto, ainda ontem, com as entidades de Sydney e ficou a saber que não há nenhum madeirense, nem sequer nenhum português, afetado, diretamente, por esta situação que tem causado um caos em todo o país.

“No último contacto que fiz, fiquei a saber que choveu e que está tudo mais controlado. Quanto a portugueses, não há, pelo que sei, qualquer um que tenha ficado sem casa ou que esteja a sofrer as consequências desta situação”, referiu.

É claro que os fumos continuam a ser intensos e a causar problemas de saúde a todos os que ali vivem, mas a situação tende a melhorar.

Vão faltar alguns alimentos

Em termos de futuro, José Manuel Góis teme que faltem muitos alimentos, sobretudo legumes e frutas, assim como carne, uma vez que grandes campos foram devastados pelas chamas. Questionado sobre o possível aumento de impostos, o comendador não acredita que isso vá acontecer, alegando que a população não vai gostar de uma medida do género.

José Manuel Góis explica que a comunidade madeirense a viver na Austrália deve rondar, mais ou menos, os 50 mil. Não tem conhecimento de qualquer pessoa que esteja a passar por dificuldades e entende que muitos não se deslocam à Região, não por falta de dinheiro mas porque, quando emigraram, partiram com uma péssima imagem da Madeira e não fazem, por isso, questão de cá voltar.

Sem problemas

Além disso, para muitos, a longa distancia impede uma deslocação à terra Natal, uma vez que várias horas de voo (um dia) trazem grandes problemas de saúde aos que são mais frágeis. Sobre a relação existente entre a comunidade madeirense, que vive maioritariamente em Sydney, e o Governo regional, o comendador afirma que não há reclamações. Ainda no ano passado, uma comitiva da Região visitou aquele país e teve oportunidade de reunir com alguns madeirenses. Nada importante foi colocado por parte dos nossos conterrâneos.

O próprio comendador não tem sido confrontado com problemas colocados pela comunidade madeirense. Refere que, pelo que conhece, a maioria vive em situação razoável, sem dificuldades de maior e está bem integrada a todos os níveis.

Saiba sobre este assunto e muitos mais, na edição impressa desta quarta-feira no seu JM.