Venezuela: Guaidó determina reestruturação da Comissão de Controlo após denúncias de corrupção

Lusa

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, decretou hoje uma intervenção administrativa e a reestruturação da Comissão de Controlo do parlamento, na sequência de denúncias de corrupção que envolvem nove deputados.

"Decretar a intervenção e reestruturação imediata da Comissão de Controlo da Assembleia Nacional e suspender os deputados, acusados de envolvimento (em casos de corrupção), das suas funções no parlamento", disse.

Juan Guaidó falava durante uma conferência de imprensa em Caracas, após denúncias feitas pela imprensa de que nove parlamentares da oposição, seis dos quais já foram expulsos dos respetivos partidos, estariam alegadamente envolvidos numa rede de corrupção relacionada com a distribuição de alimentos pelo Estado.

"Não vamos tapar os delitos de ninguém (...). Não permitirei que alguns desavergonhados conspirem com o regime", disse.

O líder da oposição decretou ainda a nulidade de todos os documentos que tenham sido emitidos, regular ou irregularmente, pela Comissão de Controlo ou por deputados do parlamento que isentem as empresas ou cidadãos ligados à corrupção, e notificar sobre isso as organizações internacionais relevantes.

Por outro lado, ordenou uma investigação independente e exaustiva sobre os factos denunciados, indicando que para garantir essa independência propõe a participação e a supervisão de Organização Não Governamentais, como a Transparência Internacional, associações profissionais e jornalistas independentes.

Sugeriu também que os jornalistas do portal Armando.info, que fez as denúncias, sejam convidados a apresentar perante o parlamento os resultados da investigação.

"Notificar a todas as autoridades, organismos nacionais e internacionais responsáveis pelas investigações criminais, administrativas ou financeiras, que nenhum funcionário ou deputado legítimo do parlamento nacional tem autorização para emitir documentos ou garantias de boa conduta' a empresas ou cidadãos", disse.

Juan Guaidó voltou a convocar os venezuelanos interessados para se candidatarem ao cargo de Controlador da República.

Disse ainda ter dado instruções para que sejam levados à próxima reunião de membros do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) os nomes e dados das pessoas acusadas de integrarem a rede de corrupção e que sejam tomadas medidas adicionais para investigar e processar os corruptos.

O portal venezuelano Armando.info denunciou hoje que vários parlamentares de partidos da oposição estavam envolvidos numa rede de corrupção relacionada com a distribuição de alimentos pelo Estado venezuelano.

As denúncias envolvem Alex Saab, um empresário sancionado em julho último pelos Estados Unidos, por alegadamente beneficiar de um programa estatal de importação de alimentos, que são depois distribuídos a preços subsidiados em bairros humildes venezuelanos.

Na sequência da denúncia, os partidos da oposição Primeiro Justiça e Vontade Popular, liderado por Juan Guaidó, expulsaram seis deputados.