Venezuela: Governo e oposição retomam diálogo

O Governo venezuelano e a oposição retomaram ontem as reuniões sob a mediação da Noruega para encontrar uma solução para ultrapassar a crise política, económica e social que afeta o país da América do sul.

A retoma do diálogo foi confirmada pela oposição venezuelana, sem precisar o local onde decorrem as negociações que, segundo diversas fontes, será na ilha de Barbados, onde este mês já decorreram vários encontros entre as representações.

"Iniciámos outra ronda de reuniões, no quadro do Mecanismo de Oslo. Insistimos na procura de uma saída constitucional que ponha fim ao sofrimento dos venezuelanos", escreveu o segundo vice-presidente do parlamento da Venezuela, no qual a oposição tem maioria.

Segundo Stallin González, os venezuelanos "necessitam resultados definitivos para sair da crise".

O último encontro de três dias, entre o Governo venezuelano e a oposição, terminou em 11 de julho em Barbados, com a criação de um grupo de trabalho, que agendou 15 dias de consultas, em Caracas.

Os encontros, com a mediação do Governo da Noruega, iniciaram-se em maio último, em Oslo.

De acordo com a imprensa venezuelana, é a quinta vez que representantes do Governo e da oposição se reúnem com a mediação da Noruega.

A crise na Venezuela agravou-se desde finais de janeiro último, quando o presidente do parlamento, o opositor Juan Guaidó, jurou assumir as funções de presidente interino da Venezuela.

A oposição quer que o Presidente do país, Nicolás Maduro, abandone o poder, que seja nomeado um governo de transição e que sejam convocadas eleições livres.

Por outro lado, o regime quer que cessem as sanções impostas pelos Estados Unidos da América, que considera estarem a ser aplicadas com o apoio da oposição.

Nenhuma das partes divulgou os assuntos em agenda e em julho último a chefe da diplomacia norueguesa, Ine Eriksen Søreide, recomendou que as delegações sejam prudentes.

A oposição está representada por Stalin González, o ex-presidente da Câmara Municipal de Baruta (sul de Caracas), Gerardo Blyde e o ex-ministro de Transporte e Comunicações, Fernando Martínez Mottola.

Representam o Governo venezuelano, o ministro de Comunicação e Informação, Jorge Rodríguez, o governador do Estado de Miranda, Héctor Rodríguez, e o ministro de Relações Exteriores, Jorge Arreaza.