Juan Guaidó pede ao Parlamento que declare o estado de emergência na Venezuela

Juan Guaidó, o autoproclamado presidente interino da Venezuela, reconhecido por 50 países, entregou, esta segunda-feira, na Assembleia Nacional, o pedido para que se decrete o estado de emergência na Venezuela, devido ao apagão que se faz sentir desde a última quinta-feira.

“Vamos pedir ao Parlamento que decrete o estado de emergência, devemos comparecer imediatamente”, referiu Juan Guaidó, em conferência de imprensa no passado domingo. O líder da oposição afirmou ainda que tem estado em contacto com uma empresa alemã capaz de fornecer eletricidade e outros bens necessários para estabilizar o sistema.

Recorde-se que a maior parte do território venezuelano permanece sem eletricidade desde quinta-feira, após uma falha na central hidroelétrica de Guri, a maior do país e que fornece cerca de 70% do território. Nicolás Maduro afirmou, através da sua conta oficial no Twitter, que esta instalação recebeu um “ataque cibernético” dos Estados Unidos, país que tem sido responsabilizado pelos problemas da Venezuela.

Todavia, Guaidó refuta estas acusações dizendo que o ‘apagão’ não foi provocado por sabotagem. Guaidó refere o desinvestimento e a má gestão como as causas reais da queda prolongada do serviço elétrico.

Juan Guaidó pediu também às Forças Armadas que virem as costas a Nicólas Maduro e não reprimam a população que se manifesta em diversas áreas do país para exigir o fim da crise. Os cortes de energia elétrica são constantes na Venezuela, país que vive uma profunda crise, apesar de ter a maior reserva de petróleo do planeta.