Venezuela: Governo nega mortes nos hospitais devido a 'apagão'

O Governo venezuelano negou no domingo a morte de pessoas nos hospitais devido ao 'apagão', contrariando informações da oposição e de organizações não-governamentais.

"Constatamos com surpresa que nas redes sociais se fala da quantidade de mortos... é absolutamente falso", afirmou o ministro da Saúde, Carlos Alvarado, à televisão, acrescentando que "estas informações tendenciosas pretendem inquietar a população".

Segundo o ministro, 90% dos geradores elétricos estão a funcionar após uma paragem de dois dias, permitindo assegurar a vida de centenas de doentes que se encontram em estado crítico.

Quanto a números, Carlos Alvarado disse que 15 a 17 doentes foram transferidos para outras unidades de saúde, mas "sem consequências sérias".

Antes, um dirigente de uma associação defensora do direito à saúde e à vida, a Codevida, mencionara a morte de 15 doentes renais, quatro deles no Hospital Miguel Pérez Carreño, em Caracas, por falta de diálise.

Segundo o diretor da Codevida, Francisco Valencia, a situação é muito crítica para as pessoas com insuficiência renal, uma vez que a quase totalidade das unidades de diálise está parada devido à falta de eletricidade.

Posteriormente, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela e autoproclamado Presidente interino do país, Juan Guaidó, afirmou, através da rede social Twitter, que 15 pessoas morreram nos hospitais devido ao 'apagão' generalizado que começou na quinta-feira, acrescentando que 15 mil doentes renais estão em risco.

O ministro da Saúde alega que "todos os serviços de urgência estão plenamente operacionais".