Morte do comendador Ivo de Sousa recebida com pesar na comunidade madeirense

José Luiz da Silva, Correspondente em Joanesburgo

Causou profunda consternação, na comunidade madeirense e não só, o óbito do comendador José Ivo de Gouveia de Sousa que provocou uma onde de manifestações de pesar nas redes sociais e plataformas comunitárias.

Ivo de Sousa, natural da Fajã da Ovelha, contava 74 anos de idade. Dedicou grande parte da sua vida em prol da comunidade a que pertencia. Foi presidente da Casa Social da Madeira (CSM), integrou o Rancho Folclórico da CSM como tocador e vocalista e sempre se empenhou na divulgação da cultura e do folclore madeirenses.

Organizou em 2005, com grande sucesso, a viagem do grupo folclórico da CSM a Sacramento, Califórnia, EUA com a família Chadinha, ali radicada à muitos anos.

Muito se ficou a dever a Ivo de Sousa a construção do Centro de Dia, São Francisco de Assis, em Pretória oeste, tendo conseguido coletar fundos avultados, mas não suficientes para construção do Centro de Dia para Idosos, mas a sua vontade férrea de construir o centro fez com que despendesse do seu próprio bolso uma quantia na ordem dos milhões de randes que permitiu concluir tão almejada obra em prol dos mais idosos e desfavorecidos da sorte na sua comunidade substituindo assim o Estado Português variadas vezes.

Foi presidente do grupo de Bem-fazer “Os Lusíadas”, fez dois mandatos como vice-presidente da Academia do Bacalhau Mãe, foi presidente da filial do Sporting Clube de Pretória, pertenceu ao quadro da Sociedade Portuguesa de Beneficência, animou com o conjunto “Amigos da Hora” que fundou com o objetivo principal de alegrar os utentes do Centro de Dia e do Lar Rainha Santa Isabel.

As funções desempenhadas foram sempre feitas de forma exemplar e com grande sentido de responsabilidade, honestidade e mérito.

Ao JM, Damião de Freitas, presidente da Assembleia-Geral da CSM, em declarações recolhidas pelo telefone, disse que o perecimento do comendador Ivo de Sousa, a todos entristeceu e a sua morte deixa uma lacuna na nossa comunidade muito difícil de preencher.

Foi uma pessoa de bem, que agora desaparece do tablado da vida, mas que deixa um legado de amor ao seu semelhante, algo que deverá ser seguido como exemplo de profunda dedicação.

Ao longo da manhã, multiplicam-se as manifestações de pesar. O Governo Regional, a Câmara da Calheta, a direção do PS-Madeira, José Cesário, antigo secretário de Estado da Comunidades e vários outros seus amigos publicaram notas de consternação pela sua morte.

O JM apresenta sentidos pêsames a Teresa de Sousa, filhos e restantes familiares.