Papa pede à ONU que ajude a Venezuela a sair da crise política e social

O papa Francisco lançou hoje um apelo às Nações Unidas para ajudarem a Venezuela a sair da crise económica, política e social, falando em declarações à imprensa na viagem de regresso depois de visitar a Colômbia.

"O problema humanitário é o mais doloroso. Há tantas pessoas que fogem ou que sofrem. É uma questão humanitária, que deve ser abordada. Creio que as Nações Unidas devem fazer-se ouvir para ajudar", disse o pontífice.

"Acredito que a Santa Sé se pronunciou de forma forte e clara”, respondeu quando questionado sobre os obstáculos aos esforços para facilitar o diálogo entre o governo de Nicolas Maduro e a oposição.

"O que pensa Maduro, deve dizê-lo. Eu não sei o que ele tem em mente", acrescentou.

"A Santa Sé fez muito (...). Eu expressei-me muitas vezes, tanto em privado como durante o angelus, na busca de uma saída, oferecendo ajuda. Parece que a situação é muito difícil", disse o Papa Francisco.

A crise na Venezuela foi numa das principais preocupações manifestadas pelo papa durante a sua viagem à Colômbia, onde apelou para o diálogo e o fim da violência no país vizinho.

No final desta visita, Francisco agradeceu ao Exército de Libertação Nacional (ENL), o último grupo de guerrilha na Colômbia a assinar um cessar-fogo, o que aconteceu na véspera de sua chegada.

"A guerrilha, os paramilitares, os que lidam com a droga... A corrupção tem causado graves pecados que geram o ódio. Mas há passos que nos dão esperança, e o último foi o cessar-fogo do ENL, a quem agradeço", disse o papa.

O Pontífice de origem argentina não parece afetado pelo hematoma que fez no domingo em Cartagena, quando bateu contra a parede de vidro do seu papamóvel, quando o veículo travou de repente por causa da multidão.

O papa também elogiou a atitude da multidão que acudiu a todos os seus compromissos, dizendo que foi “tocado pela alegria, a ternura, a juventude, a nobreza do povo colombiano, que não tem medo de se expressar".