Estudante madeirense em Londres: “As propinas aumentaram de 9.250 para 17.000 libras”

Marco António Sousa

Afonso Moniz, estudante madeirense no Reino Unido, vive no terreno os obstáculos, desafios e algumas incertezas que o Brexit veio trazer.

Mas há uma que salta logo à vista de qualquer estudante que se aventure em terras britânicas.

“Devido ao brexit, as propinas passaram de 9.250 libras (10.800€) para 17.000 (20.000€), se não estou em erro”, aponta, apesar de estar ao abrigo de um programa que o isenta de pagar propinas.

Ao descrever algumas das alterações, o jovem madeirense diz que teve que fazer um ‘statement’ [comprovativo de residência], ou como explica, “preencher uma papelada para ser autorizado a ficar aqui. Tive que provar que estava a estudar”.

“Tenho papeis que comprovam que posso ficar cá até 2025. Há dias recebi um e-mail com medidas novas que vão implementar na minha faculdade, ainda tenho que ler isso com atenção”, continua.

A concluir, Afonso Moniz explica que fez prova de residência em novembro de 2019 e que em fevereiro de 2020 recebeu a aprovação de que poderia ficar até 2025.

“Depois tenho que o renovar”, termina.