China e Uruguai contra eventual intervenção militar de EUA na Venezuela

A China e o Uruguai pronunciaram-se hoje contra uma eventual intervenção militar dos Estados Unidos na Venezuela para solucionar a crise no país, reagindo a ameaças proferidas pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

O ministério dos Negócios Estrangeiros chinês defendeu a necessidade de respeitar o princípio de não-ingerência em assuntos internos de outro país, e o mesmo fez o Presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, rejeitando “enfática e taxativamente” as declarações de Trump sobre a Venezuela.

“Todos os países devem conduzir as suas relações bilaterais com base na igualdade, no respeito mútuo e na não-ingerência nos assuntos internos do outro”, afirmou o porta-voz do MNE chinês, Hua Chunying, em conferência de imprensa.

A China “segue sempre o princípio de não interferir nos assuntos de outro país”, acrescentou, três dias depois de o Presidente norte-americano ter equacionado adotar a opção militar contra a Venezuela.

O Governo chinês tem evitado nas últimas semanas emitir opiniões sobre a situação no país latino-americano, embora tenha dito, a propósito das polémicas eleições para a Assembleia Nacional Constituinte, que decorreram “de forma estável”.

Também manifestou, na altura, o desejo de que Governo e oposição na Venezuela iniciassem um diálogo pacífico para manter a estabilidade no país.

A China é, desde a década passada, um dos mais importantes parceiros comerciais da Venezuela, país que chegou a ser o principal destino dos investimentos chineses na América Latina, dado o especial interesse do regime comunista no crude venezuelano.

O chefe de Estado do Uruguai, que falava à imprensa antes de presidir a uma reunião do Conselho de Ministros, sublinhou haver “uma rejeição absolutamente total da parte do Governo uruguaio” de uma possibilidade de intervenção militar dos Estados Unidos na Venezuela.

“Os problemas que a Venezuela tem devem ser resolvidos pelo povo venezuelano sem ingerência estrangeira e, portanto, rejeitamos enfática e taxativamente as apreciações do Presidente dos Estados Unidos”, sustentou Tabaré Vásquez.

Na passada sexta-feira, Trump declarou que o seu Governo não descarta “a opção militar” para resolver a “confusão muito perigosa” que a Venezuela atravessa e recordou que o seu país tem tropas em todo o mundo e que “a Venezuela não fica muito longe e as pessoas estão a sofrer e estão a morrer”.