Emigrantes acreditam que 2021 será sinónimo de esperança e superação

Marco Sousa

Os madeirenses espalhados pelo mundo esperam que o novo ano seja um virar de página que permita superar todas as adversidades do ano transato.

Na viragem de 2019 para 2020 jamais alguém imaginaria um ano tão difícil, diferente e muito atípico para toda a população mundial. Grandes impactos económicos foram causados pelas restrições impostas devido à pandemia. A pobreza aumentou, foi necessário procurar um maior espírito de sobrevivência e nem um abraço, beijo ou cheiro, junto dos mais próximos, nos poderia aconchegar o coração.
Em consequência da pandemia que condicionou o mundo, grande parte da emigração madeirense viu-se privada de visitar a terra natal e a família. Algo que muitos tinham como grande hábito e momento mais especial no ano.
Iniciamos agora um novo ano – 2021 – e, para alguns dos emigrantes, este deverá ser o ano da esperança e da superação das adversidades que surgiram ao longo de 2020.
O aparecimento da vacina criou uma luz ao fundo do túnel e faz antever que a pandemia possa ser domada, de modo a que voltem os abraços, os beijos e os cheiros.
As já tradicionais mensagens de esperança para este novo ano multiplicaram-se no grupo Desafios da Diáspora, um grupo informativo, incentivado pelo JM para servir as Comunidades Portuguesas, com natural enfoque nos Madeirenses espalhados por todo o mundo.

Leia as mensagens na edição impressa de hoje do JM.