"Estamos convencidos de que só com educação podemos reconstruir a Venezuela"

A organização britânica Quacquarelli Symonds (QS) World University Rankings apresentou a lista de 2021 das melhores universidades latino-americanas, e entre as primeiras cem estão quatro instituições venezuelanas (UCV, USB, ULA e UCAB). Mesmo em situação de crise, a mais grave da sua história, os institutos de educação superior da Venezuela conseguem, com autonomia universitária, manter a qualidade dos seus profissionais.

Este reconhecimento parece contraditório numa altura em que um grande número de luso-venezuelanos, entre eles uma centena de médicos, enfrentam uma densa barreira burocrática para obter o reconhecimento do seu título e poder exercer a sua profissão em Portugal.

No ranking feito pela Quacquarelli Symonds, entre as duzentas primeiras, estão também a Universidade de Zulia, a Universidade de Carabobo e a Universidade Metropolitana (Unimet). Esta última situada no lugar 161 da lista, é presidida há dois anos pelo luso-venezuelano de origem madeirense, Luís Miguel da Gama.

Reconhecido pelo seu trabalho à frente da rede de supermercados Excelsior Gama, que começou como um negócio familiar e hoje conta com 25 filiais em Caracas e 3.100 funcionários, Da Gama decidiu aplicar os seus conhecimentos gerenciais no setor da educação. A Metropolitana é a universidade onde tirou dois cursos e onde conheceu a sua esposa.

Acordo em perspetiva

Num mundo cada vez mais globalizado, Luís Miguel da Gama reitera a disposição da Universidade Metropolitana de celebrar um acordo com a Universidade da Madeira (UMA) ou com alguma outra instituição de ensino superior em Portugal. O tema já foi colocado em discussão numa reunião que teve lugar em Caracas, na qual Da Gama e o Secretário Regional da Educação, Jorge Carvalho, participaram. O objetivo é fortalecer os laços de cooperação académica com instituições de alto prestígio internacional e promover uma maior mobilidade estudantil. Atualmente, a Unimet mantém acordos internacionais com 12 instituições de ensino superior, a maioria localizadas na Espanha.
Da Gama reitera que, apesar das dificuldades, as universidades venezuelanas continuam mantendo altos níveis de qualidade, com professores altamente capacitados e avaliações rigorosas.