Cônsul-Geral de Portugal em Joanesburgo homenageado pela comunidade

José Luís da Silva, correspondente em Joanesburgo (África do Sul)

Francisco Xavier-Meireles, Cônsul-Geral de Portugal em Joanesburgo foi, quarta-feira, alvo de uma expressiva homenagem por parte de muitos portugueses residentes na área de jurisdição do consulado geral de Portugal em Joanesburgo, cuja área é cinco vezes e meia o tamanho de Portugal e Regiões Autónomas.

A organização do almoço ficou a dever-se ao empresário madeirense Comendador João Gonçalves Canha e a Nelson Reis, ex-presidente da Academia do Bacalhau Mãe que reuniram um número muito significativo de pessoas. A presença de madeirenses foi bastante significativa o que não é normal em eventos desta natureza.
O Comendador João Canha deu as boas vindas aos presentes tecendo algumas considerações sobre a vida comunitária e os desafios que se apresentam, apelando para atenção de todos, à unidade e que alguns dos presentes deveriam voltar a ocupar cadeiras ou posições que foram abandonadas, uma alusão à indiferença de pessoas que deixaram de contribuir em prol da comunidade.

Agradecimento da comunidade

Dirigiu-se em seguida ao Cônsul-Geral começando por agradecer o trabalho realizado, as instalações consulares que prestigiaram grandemente a imagem de Portugal e da Comunidade residente em Joanesburgo.
Canha relevou e agradeceu pela forma gentil e correta como sempre tratou as pessoas.
“Aceite o nosso muito obrigado senhor Cônsul-Geral, um obrigado muito sentido com votos de que possa regressar a este país, mas como Embaixador de Portugal”, enalteceu.
Francisco-Xavier Meirelles, encetou o seu discurso agradecendo a presença de todos os presentes e por se referir à pandemia que assolou o mundo que “nem vocês e eu esperávamos um dia viver, uma pandemia que vai deixar consequências à África do Sul e à Comunidade também”.
A tónica do discurso de Francisco-Xavier Meireles incidiu para que se unam esforços e ao espírito de entreajuda, pois existem alguns casos difíceis de pessoas doentes e desempregadas que podem ser resolvidos com boa vontade para se encontrar uma resposta dando como exemplo situações resolvidas pela Sociedade Portuguesa de Beneficência.

Mensagem positiva

“Quero sair da África do Sul com uma mensagem positiva. Às vezes, devido a pequenos mal-entendidos, as pessoas tornam-se menos disponíveis ou por esta ou aquela razão. É preciso manter a união e a liderança da comunidade”, garantiu.
“Nestes quatro anos tive uma componente muito forte nesta questão de sensibilizar as pessoas que já tiveram um papel nessa liderança, as pessoas que podiam voltar a essa liderança e as pessoas que deviam ter um passado nessa liderança”, realçou.

Leia tudo na edição impressa de hoje do JM.