"Ele disse que ela ia aparecer morta dentro de uma valeta", diz um dos envolvidos na pancadaria de sexta-feira

Um dos homens envolvidos nas cenas de pancadaria ocorridas na passada sexta-feira, à saída da discoteca Copacabana, no Funchal, revelou ao JM alguns dos pormenores sobre o que se passou. O jovem, que se diz vítima de agressão, diz que também a sua namorada foi esbofeteada, e acusa o alegado agressor de a ter ameaçado de morte.

Segundo a versão contada ao Jornal por um dos homens envolvidos, a situação desenrolou-se após uma curta troca de palavras, junto aos carros dos intervenientes. Apesar de uma ligeira desavença, este relatou que tentou serenar os ânimos, pedindo desculpa, antes de ser agredido por “um designer famoso aqui na Madeira”.

O agredido conta que foi agarrado pelos seus amigos, de modo a impedir que os ânimos escalassem, mas que nesse preciso momento, o agressor aproveitou para desferir-lhe novo golpe.

“Entretanto, [o alegado agressor] começou a discutir com a minha namorada, batendo-lhe, inclusive”, recorda. “Foi quando me consegui soltar e fui atrás dele. Ele fugiu para dentro do carro e só saiu à chegada da PSP.”

Nessa altura, prossegue, foi quando terá saltado para cima de uma viatura, pertencente a uma terceira pessoa, acabando por partir o vidro da frente. Situação que, garante, já foi resolvida com a proprietária do carro em questão.

Após a chegada da PSP, pouco tempo depois, o jovem recorda que foi o primeiro a ser identificado, apesar de ter sido ele o agredido.

“Fomos todos identificados, o meu carro tem danos avultados, e a minha namorada está cheia de medo, porque ele disse que ela ia aparecer morta dentro de uma valeta”, assegura ainda o jovem agredido, que revela que o agressor lhe terá ligado durante o fim de semana para pedir desculpa. Ainda assim, refere, uma queixa será formalizada na PSP esta terça-feira.