Caso da agressão bárbara é “tentativa de homicídio”

Diogo Silva, 30 anos, que foi agredido violentamente na madrugada de domingo, na zona pública em frente à discoteca ‘Vespas’, já está em casa. Desde a agressão bárbara perpetrada pelo jovem Lourenço Furtado, de 18 anos, a vítima já foi assistida três vezes no hospital e continua sob vigilância – apurou o JM.

Tal como já confirmado pelo Comando Regional da PSP da Madeira, a vítima Diogo Silva e seus familiares formalizaram no domingo à tarde uma queixa contra os agressores. Segundo os elementos que estão a ser tratados pela Brigada de Investigação Criminal, a queixa deverá incidir na “tentativa de homicídio”.

Lourenço Furtado, protagonista na violenta cena de pancadaria, cuja gravação vídeo já teve ampla divulgação, contou já ao JM que não houve qualquer membro das forças policiais a intervir. Contudo, assumiu que as autoridades já entraram em contacto para apurar os contornos.

O agressor admitiu ao JM estar arrependido, “a passar um mau bocado” e “a sofrer as consequências”. Revelou mesmo estar a ser alvo de ameaças de morte e que os incidentes terão tido origem em provocações relacionadas com o jogo Benfica - FC Porto.

Duas situações que os familiares de Diogo Silva desmentem frontalmente. Primeiro porque o caso irá seguir os trâmites legais face à “tentativa de homicídio”, sendo negada qualquer ameaça. “A família da vítima está a tratar do assunto com as autoridades, nada mais.”

Em relação ao motivo da cena de violência, o JM apurou que não esteve relacionada com o futebol. “Havia um tio a querer levar a sobrinha para casa, o que esse Lourenço impediu. Quando o Diogo quis ajudar, foi espancado à falsa fé e o resto é o que o vídeo mostra.”

Ao contrário de Lourenço Furtado, a vítima não tem qualquer antecedente de violência. “A família está chocada com aquilo que viu no vídeo e espera que as autoridades atuem face a tantas evidências.” O que já estará a ser feito, sobretudo face a uma eventual tentativa de escape para o estrangeiro.