Caso do insuflável: Dono do restaurante apanha 5 anos mas pena fica suspensa

Alberto Pita

O Tribunal de Santa Cruz condenou hoje o proprietário do restaurante onde estava instalado o insuflável que, em 2015, voou matando uma criança que nele brincava a uma pena de prisão de cinco anos, suspensa por igual período.

O Tribunal de Santa Cruz condenou ainda o dono do restaurante a pagar uma indemnização no valor de 112 mil euros aos pais da criança de oito anos falecida.

O juiz terminou há instantes a leitura da sentença deste caso que tinha um outro arguido - o dono do insuflável - que acabou por ser absolvido.

Recorde-se que o processo remonta a 2015, quando uma criança brincava num insuflável instalado no estacionamento de um restaurante em Santa Cruz. O vento forte que se fazia sentir nesse dia levantou o insuflável com a criança dentro e projetou-o para uma estrada de acesso à via rápida. A criança não resistiu aos ferimentos e morreu.

Nas alegações, o Ministério Público pediu a condenação do proprietário do estabelecimento a uma pena de prisão de três anos e seis meses, suspensa na execução, pelo crime de homicídio por negligência grosseira, e o proprietário do insuflável, com quem manteria o negócio a troco da divisão dos lucros, a uma pena de prisão de dois anos, suspensa também na sua execução, pelo crime de homicídio por negligência simples.