Luísa Barreto está em Inglaterra e denuncia ser vítima de violência doméstica

Catarina Gouveia

“Fui casada 20 anos, mas em dez anos fui um saco de boxe”, afirmou Luísa Barreto, a mulher que saiu da casa em que residia, em Santo Amaro, há mais de uma semana e se mudou para Londres devido a alegadamente ser vítima de violência doméstica.

A mulher de 38 anos que foi dada como desaparecida a 14 de setembro, confirmou, em declarações ao JM, que já não se encontra na Madeira desde esse mesmo dia às 17h30.

“Saí de casa a 14 de setembro, de onde já devia ter saído há mais tempo. Só não o fiz a pensar nos meus filhos”, afirmou a mulher que saiu há 11 dias da casa onde residia em Santo Amaro, que desmente as declarações do companheiro Marco Barreto quando este afirmou ao JM que a mesma ainda não teria tentado contactar os filhos desde o seu desaparecimento. “Não os abandonei nem estou desaparecida. Já falei com eles, já falei com a minha mãe e contactei a minha cunhada no primeiro dia em que cheguei cá”, disse, acrescentando que o pai dos seus filhos está a impedir que a mesma contacte com os três menores.

“O pai vai manipulá-los para sempre”, disse a mulher que assegura que a sua vontade era levar os filhos consigo para fora da Região. “Ele chegava a dizer que se algum dia eu tentasse levá-los me matava”, acrescentou Luísa Barreto, que nega ainda que sofra de ansiedade ou de depressão, como também afirmado ao JM por familiares.

Luísa Barreto refere que “nunca mais” vai voltar à Madeira, e que se encontra bem, com uma amiga em Inglaterra.

Leia mais pormenores na edição impressa de amanhã do JM.